domingo, 27 de janeiro de 2013

Home, sweet home.

 Casas para mim são para exprimirmos-nos. Por mais que tentem mudar isso em mim, nunca o vão conseguir. Casas para mim não podem ser decoradas por um designer de interiores, são para ser decoradas por nós. Não consigo estar em casas escuras, quanto mais luz melhor. Se possível os cortinados todos para trás. Os meus livros andam espalhados por toda a parte, em toda a casa há livros deixados algures e revistas. Nas paredes há coisas escritas por mim, pintadas por mim, memórias, etc., coisas que dizem-me algo e são pessoais. Depois eu gosto de misturar tudo. O meu quarto é uma mistura de vintage, com étnico, com sei lá mais o quê. O turquesa predomina é claro! Ou não fosse o azul a minha cor favorita. Fotografias dos que mais amo é coisa que não falta. A minha secretária parece sempre que foi atacada por um tsunami colorido de post-its e canetas. Sou contra as televisões no quarto, no entanto rádios não podem faltar. Há que haver sempre música a tocar! Há imensa decoração que foi feita por mim e pela minha mãe. Na porta há uma rena pendurada que diz Feliz Natal, está lá todo o ano. Natal é quando uma mulher quiser. Tenho um camião da Coca-Cola na minha secretária, este foi-me oferecido pelo meu padrasto porque sou uma cocacólica. O meu irmão já tentou tirar-mo, pode ir sempre sonhando com ele... Tenho vários bilhetes escritos por amigos colados nas prateleiras da secretárias e uma caixa cheia de coisas com valor sentimental.   Em casa onde eu more, há todo um ambiente muito zen. Budas, incensos, espanta-espíritos... Preto é cor a evitar, quer-se tudo muito colorido e positivo! Animais são sempre bem-vindos e há sempre lugar para visitas. As minhas visitas sabem sempre onde estão coisas como copos, talheres... Em minha casa as visitas fazem de conta que estão em casa. Há sempre uma cozinha cheia de alimentos esquisitos e especiarias compradas pela minha pessoa (A semana passada comprei tofu, a minha mãe ficou a olhar para aquilo com uma cara esquisita). Talvez isto não tenha muito sentido e nem tudo seja coerente, tal como a minha casa. Mas o que importa é que demonstra quem sou. 

3 comentários:

Bolacha Sofia disse...

eu nao sou de cascais, mas conheço bue gente de lá e.. a maneira de falar irrita-me ahaha Nós também dizemos asneiras, entre nós, mas pelo menos eu não gosto muito de as dizer assim à toa com gente que nem conheço muito bem, daí que tenho um bocado tento da língua, mas adoro a maneira de falar do norte sem dúvida, o sotaque então awwrr :3
estive à tua procura la no grupo dos blogguers (de onde eu acho que vim parar ao teu blog) mas na te encontrei ahaha isto de falar por comentarios nao tem jeito nenhum xD

Iva Araújo disse...

Talvez seja por isso que nós "entendemos" tão bem, mas geralmente as pessoas ou adoram ou detestam os virgens! Não podia estar mais de acordo, a casa tem que ser "nossa" e não uma pessoa qualquer a decorar...
Gosto de sentir-me a vontade e relaxada, cá em casa as decoradoras sou eu e a minha mãe (ela adora estas coisas e tem monte revistas de decoração). No meu quarto predominam caixas e mais caixas, aquelas caixas de papel super giras que geralmente na tampa são quadros de pintores famosos ou com imagens vintage. Irias adorar as minhas duas caixas de lata da coca-cola com imagens vintage que tenho ;).

Miguel Silva disse...

Shit uma vez comi tofu e ainda fiquei com mais fome :D