quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Rewind

 Perguntaste-me se tinha tarde livre, mas eu não tinha. Disseste-me que estavas encostada a minha casa, para sair o mais rápido possível, nem conseguia escrever uma mensagens graças aos nervos. Saí para fora como se fosse um furacão que arrasa um país inteiro. Ali estavas tu... As minhas palavras e a minha mente podem tentar negar que já não sinto nada por ti, mas o meu sorriso, o meu olhar, o meu coração não sabem mentir. Não me importei de acompanhar-te ao teu destino, precisava de falar contigo, desabafar. Senti-me tão bem, já tinha saudades de falar assim contigo, aqueles dez minutos souberam-me pela vida, acredita em mim. Parecia os bons velhos tempos, em que éramos só amigos e não sabíamos o que estava escrito pelo destino, estava tudo bem. Fazes-me bem, faz-me bem desabafar contigo, há poucas pessoas que percebem-me como tu. Já conheces o meu olhar, já sabes o que penso sem abrir a boca. E pronto, vim feliz da vida embora. Mesmo assim estava sem disposição nenhuma para aula de português, pela primeira vez na vida apeteceu-me faltar a uma aula de português. Apenas o meu corpo estava ali, a minha mente estava em modo rewind, pela primeira vez na vida, estive a borrifar-me para a minha professora de português. As minhas notas baixaram e a culpa é toda tua. :)