segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Voar.

 Hoje fiz uma promessa a mim mesma, que nunca mais iria deixar ninguém destruir os meus sonhos. Prometi a mim mesma que iria conseguir ir para a universidade sem receber um tostão do meu pai, seria a maior bofetada que lhe poderia dar depois de tudo isto. Há uma parede entre nós e cansei-me de tentar quebra-la, parece ser feita do melhor betão. O meu irmão nem já para a parede olha, ainda está mais exausto do que eu. Prometi a mim mesma que iria mostrar-lhe que não preciso dele. Tornei-me mais fria, mais reservada, mais desconfiada. Acho que há uma parte do meu coração que tornou-se gelo. Ainda dói um bocado, mas comecei a lidar com tudo em modo robot, o meu discurso ficou automático. Cada vez perco mais a esperança que um dia iremos ter uma relação saudável, uma relação em que eu sinta que és realmente meu pai e não um estranho apenas. Já não sei quem tu és, nem tu quem nós somos. Custa imenso ouvir o meu nome ser trocado pelo da  tua "nova" filha, repetidamente. Hoje demonstraste que querias estar mais presente ou será uma das tuas bonitas mentiras que inventas? É que nunca cumpres com o que dizes. Prometi que nunca mais  iria deixar-me ser manipulada por ti. Prometi a mim mesma que vou conseguir tudo. E vou mesmo. Não vais levar a melhor de mim, não sabes quão alto posso voar. 

1 comentário:

lu de lúcia disse...

espero que consigas tudo o que realmente queres e só tens de acreditar em ti :D