domingo, 5 de agosto de 2012

Tempestade.

 Nunca poderia dar-te o que querias, um amor tranquilo. Eu preciso de alguém que me faça frente, não que me faça todas as vontades. Eu preciso de alguém que consiga parar um furacão e transforme-o num bonito dia de sol. Normalmente eu estou em modo tempestade, sempre tive uma personalidade forte e vincada que alguns desconhecem. Deixam-se enganar pelo ar de mosquinha morta, não sabem o que há por detrás de tudo. E tu criaste uma ilusão nessa cabeça, eu não sou nem nunca serei a mulher da tua vida. Tens uma vida pela frente, não me chateis com tretas, são apenas hipérboles amorosas. Eu tentei fingir que gostava de ti, mas infelizmente sou boa a fingir que não sinto algo e não o contrário. Quando tenho que fingir que os tenho, não consigo. Faz-me um favor, não te faças de vítima e não me digas que posso mudar os sentimentos que tenho por ti. Tu não mandas no coração, porra! E tu és um rapaz impecável mas para outra pessoa, não para mim. Não coloques todos contra a mim, a culpa disto não é de ninguém, eu não sou a má da fita. Tu quiseste ir pela auto-estrada, eu prefiro ir pelo um caminho de terra batida, lentamente. Eu queria conhecer-te, tu já gostavas de mim antes que colocares-me a vista em cima. Eu tinha todo o tempo do mundo, tu corrias velozmente. Quiseste fingir que algo existia, nunca existiu. Não és a pessoa mais infeliz à face da terra, não te vitimizes, caramba! A única lamentação que tenho é ter magoado alguém, mais nada. Eu tenho uma vida pela frente e não queria desperdiçar tempo ao teu lado, não sabias fazer-me feliz. Todos os santos dias eram a mesmissíma coisa, a conversa com um robot era mais interessante. Nunca soubeste dizer-me as palavras certas e eu não gosto de pausas longas e silenciosas. Eu escrevia este mundo e o outro e respondias em monossílabos. Eu queria discutir literatura e tu tinhas alergia a livros. Eu queria discutir a actualidade e tu apenas repetias "És tão bonita". Não era pelos elogios que me ias conquistar, isso qualquer um faz. Tinhamos gostos distintos e não fiz com que resultassem juntos, também não queria. E ainda irrita-me quando recordo-me de questionar-te "Achas que sou isto? A sério? Porquê?", "Porque gosto de ti" era sempre a resposta. Uma resposta vaga não me satisfaz. Eu via o futuro, tu o passado. Eu era demasiado moderna para ti, nunca mais vou esquecer-me do dia em que me dissestes que o lugar de uma mulher é em casa, nem sabes o esforço que fiz para não dar-te um estalo! Tinhas ideias antiquadas na minha visão. Tu querias uma mulher em casa e uma prole de tamanho considerável. A ideia de casamento e filhos causa-me alergia, eu só queria ver o mundo. Tu querias ficar no teu lugar, eu queria ser nómada. E ficava aqui o dia inteiro a comparar diferenças. Como vês, nunca poderiamos acabar juntos. Prefiro alguém que alinhe na ideia de ver o mundo comigo. 

2 comentários:

Mariana Rocha disse...

É ele sim, lindo e com aquela voz rouca linda! Também eu :p

Ângela Ferreira de Sousa disse...

Adorei o texto B., está mesmo sentido. E digo-te o rapazinho não é desta época!

Olha se quiseres podemos ir ver o Mundo juntas, eu aceito! :p